Cultura em uma “vending machine”

Conheci a primeira vending machine de minha vida nos corredores do Sunset High School, em Dallas, no Texas. Era o ano de 1994. Era fascinante poder comprar meu chocolate favorito à época, o 3Musketters, e a minha Coca diet.

Hoje essas máquinas de vender “porcaria” estão por toda a parte, principalmente as que vendem café. Um veneno, segundo minha nutricionista. De fato, tudo que é bom engorda. Mas fiz toda essa volta para mostrar uma vending machine diferente que encontrei na Estação da Luz, em São Paulo:

161
Uma máquina que vende leitura. Nada mais adequado para um país que lê mais e em uma cidade onde a espera pelo metrô pode levar um bom tempo. Uma pesquisa chamada Retratos da Leitura no Brasil, encomendada pelo Instituto Pró-Livro ao Ibope Inteligência, mostrou que os brasileiros leem, em média, 4,7 livros por ano.  O estudo feito em 2007 comprovou ainda que esse índice sobe entre os profissionais com maior escolaridade. Entre aqueles que possuem formação superior, a média passa para 8,3 livros/ano. O número é de 4,5 livros para quem tem Ensino Médio completo, 5 para quem cursou entre 5ª e 8ª série do Ensino Fundamental e 3,7 para quem tem até a 4ª série.

Vender cultura em máquinas de conveniência é um retrato do novo Brasil. Nem nos EUA eu encontrei essa iniciativa. Já não tenho tanta certeza de que “tudo que é bom engorda”. Se em vez de comprar um chocolate, você comprar um livro no metrô, pode até emagrecer.

Yakissoba em banca de rua em SP

O prato é chinês, popular entre japoneses, mas caiu no gosto do brasileiro. O Yakissoba – macarrão com legumes e molho shoyo – era servido apenas nos restaurantes de comida asiática. Era, agora é produto de venda ambulante em São Paulo.

mailNa rua Maestro Cardim, no bairro Bela Vista, centro médico paulista, uma jovem de 20 e poucos anos decidiu montar uma banca e oferecer o prato ao público que circula na região. Tirou o shoyo e incluiu o molho caseiro. E, a medir pelo movimento, ela acertou.

A embalagem de alumínio com uma porção do yakissoba custa R$ 6. O preço é um grande atrativo numa cidade onde uma refeição não custa menos de R$ 12.

Talvez a comunidade japonesa de São Paulo não aprecie muito o sabor, mas se eles se apropriaram do prato chinês e venderam o macarrão com legumes e carne mundo afora, o brasileiro também pode fazer a sua mistura.